amc3
RS

Missão do RS conhece em Israel tecnologia para acelerar socorro médico

.

18/11/2019 16h28
Por: Clairton Borba

A tecnologia sendo usada para salvar vidas. Na Magen David Adom (MDA), em Tel-Aviv, os integrantes da missão governamental e empresarial do Rio Grande do Sul iniciaram a passagem de cinco dias por Israel conhecendo como o serviço nacional de emergências médicas do país do Oriente Médio combina inúmeras ferramentas para qualificar a prestação de socorro.

O Magen David Adom – Estrela de David Vermelha, em hebraico – concentra o atendimento de chamadas de emergência para os mais de 8 milhões de habitantes de Israel. Além de atuar de maneira organizada nos casos de acidentes urbanos, também presta apoio nos casos de conflitos ou desastres naturais. O serviço cobre os 22 mil quilômetros quadrados do território do país. “É um serviço nacional porque somos um país pequeno e também por questões econômicas”, explica Chaim Rafalowski, coordenador de Gestão de Desastres do MDA.

O MDA é uma organização não governamental que é remunerada pelos serviços públicos que presta. Seus sistemas integram uma rede de 14 mil voluntários, 3,5 mil socorristas e 1,9 mil funcionários com o objetivo de prestar algum tipo de atendimento em até sete minutos, usando 900 ambulâncias, 200 motocicletas e dois helicópteros. Parte do acionamento é realizado por um único aplicativo.

Rafalowski explica que um dos fatores cruciais para o funcionamento é o papel desempenhado pelos 3,5 mil socorristas. Muito embora não sejam obrigados a atender um pedido, já que exercem outras atividades no dia a dia, eles podem ser acionados de acordo com a proximidade. Como todo o sistema é georreferenciado, quem estiver mais perto da ocorrência recebe um chamado. "Eles ajudam enquanto a ambulância não chega", afirma Rafalowski.

Tecnologia aumenta a integração entre os sistemas

A central de operações do MDA é o local que integra todos os chamados e atendimentos. É possível acompanhar desde as primeiras informações e imagens do local, até o andamento do socorro e detalhes sobre o funcionamento da ambulância. As vítimas, em alguns casos, passam por exames preliminares que são transmitidos à distância para as unidades de emergência que farão o atendimento. "Todas as informações são transparentes a todos os operadores o tempo inteiro. Usamos a tecnologia para aumentar a integração entre os sistemas", afirma Rafalowski.

O primeiro dia do roteiro para conhecer o ambiente tecnológico de Israel terminou com uma visita ao Peres Center for Peace and Innovation, com uma apresentação sobre o histórico de empreendedorismo do país. Além de integrantes do governo do Estado e empresários, participam das agendas representantes da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), da Universidade de Passo Fundo (UPF), da Imed, da Fábrica do Futuro, do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação – Regional RS (Assespro-RS).

 

Texto: Alexandre Elmi/Secom/Edição: Marcelo Flach/Secom

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.