amc3
b5
Policia

Estelionatários fingem ser delegados da Polícia Civil para aplicar golpe dos nudes

.

23/09/2019 00h15
Por: Moises Pacheco

Criminosos que aplicam o chamado golpe dos nudes estão usando fotos de delegados da Polícia Civil do RS para extorquir as vítimas. Nesta modalidade de estelionato, perfis falsos de mulheres nas redes sociais adicionam homens — preferencialmente casados — e trocam mensagens e fotos eróticas. Com prints dessas conversas, os golpistas se passam por policiais, ameaçam as vítimas e exigem dinheiro, alegando a existência de suposta investigação por pedofilia.

Também conhecido como "sextorsão", esse tipo de crime faz vítimas até mesmo fora do país. Foi o que aconteceu com um empresário brasileiro que vive em Roma, na Itália. À reportagem, ele disse que estava sendo extorquido por um delegado do Rio Grande do Sul, depois de ter conhecido uma mulher pela internet. — No perfil dela no Facebook, existiam fotos. Belíssima, muito elegante. Pela conversa, me mostrava ser adulta — diz o empresário.

Mesmo sem ter enviado fotos eróticas, a vítima disse que passou a ser extorquida. Em um primeiro momento, por um suposto tio da jovem e, depois, por um delegado que seria titular em Lajeado, no Vale do Taquari. O criminoso criou uma conta de WhatsApp e usou uma foto do delegado José Romaci Reis, retirada da internet.

— Fiquei surpreso, porque, na verdade, a gente nunca espera que vai acontecer com a gente, que alguém pegaria minha foto e usaria para cometer golpes. Achei muito estranho. Até porque é muita ousadia de um indivíduo querer dar golpe usando fotos e nomes de outras pessoas — surpreendeu-se o delegado.

A ONG Safernet, especializada em segurança na internet, contabilizou 243 situações de extorsões com uso de fotos eróticas este ano em todo o país. O Rio Grande do Sul é o terceiro Estado em número de casos. Em Osório, um caminhoneiro engrossa a estatística.

Depois de adicionar uma jovem no Facebook — ele diz que costuma aceitar todos os pedidos de amizade na rede social, — o caminhoneiro conta que passou a receber mensagens de um suposto delegado de São Leopoldo que disse estar investigando queixas de parentes da moça. Ela, segundo o suposto policial, seria adolescente.

— Senti pânico. Na hora, a gente chega até a pensar em pagar, até por uma coisa que não fez — conta o caminhoneiro.

Até uma cópia de boletim de ocorrência forjado os criminosos enviaram ao caminhoneiro. Mesmo assim, a vítima decidiu não pagar os R$ 3 mil solicitados pelo suposto delegado. Ao procurar o policial, descobriu a farsa.

— Embora haja um logotipo da Polícia Civil do Rio Grande do Sul fora do padrão oficial, para o leigo que recebe um documento deste é um elemento de convicção de que aquilo procede, de que está sendo procurado pelas autoridades — explica o delegado Eduardo Hartz, de São Leopoldo.

Em Santa Catarina, um funcionário público chegou a depositar R$ 5 mil em uma conta indicada pelo golpista. O estelionatário alegou ser policial civil no Rio Grande do Sul e disse que estaria investigando esquema de pedofilia. 

 

*As informações são do site gachazh

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários