b5
amc3
Educação

Governo Bolsonaro vai dobrar oferta de escolas cívico-militares

.

05/09/2019 12h34
Por: Moises Pacheco

O Ministério da Educação (MEC) anunciou nesta quinta-feira (5) o Programa das Escolas Cívico-Militares. A pasta diz que vai dobrar o número da oferta para 216 instituições. O lançamento foi nesta manhã no Palácio do Planalto, em Brasília. Com o programa, a União colocará à disposição de governos estaduais e municipais estrutura e profissionais das Forças Armadas, que atuarão em funções administrativas nas escolas. A adesão de estados e municípios é voluntária. A intensão do governo federal é ofertar 216 escolas cívico-militares no país até 2023.

A ideia vem do Rio Grande do Sul, onde tramita na Assembleia Legislativa projeto de lei articulado pelo deputado estadual Tenente-Coronel Zucco (PSL/RS). O parlamentar mantém, desde o início do ano, reuniões no MEC para implementar sua ideia a nível nacional. No final de julho deste ano,  Bolsonaro assinou decreto autorizando policiais e bombeiros a atuarem em escolas cívico-militares.

De acordo com o Ministério da Educação, professores civis continuarão responsáveis pela sala de aula. Atualmente, o Brasil tem 203 escolas desse tipo, em 23 unidades da federação. As Forças Armadas vão atuar nas áreas de monitoria dos alunos, em atividades ensino-aprendizado, e na parte administrativa. Em uma primeira fase, 540 militares da reserva deverão ser convocados para atuarem em até 30 escolas cívico-militares.

— A implantação do modelo vai combater a violência e evasão escolar. Vai oferecer uma oportunidade aos jovens de se tornarem protagonistas — afirma o secretário da Educação Básica, Jânio Macedo.

Ainda segundo a pasta, o programa “pretende construir um ambiente escolar de gestão de excelência”, que envolve parcerias entre gestores, professores, militares, alunos e pais e responsáveis.  O novo modelo de escola deverá começar a funcionar a partir do ano que vem.

— O Ministério da Defesa irá atuar com o Ministério da Educação para definição dos perfis, sempre buscando a parceria e o trabalho conjunto — diz o ministro da Defesa, Fernando Azevedo.

Para o ministro da Educação, Abraham Weintraub,  a escola cívico-militar é um "resgate a tudo que nos trouxe aqui. Respeito aos professores e aos pais":

— A escola cívico-militar tem que ser mais estimulada porque ela já está dando muito certo. Lançamos o programa com o dobro da meta do governo anterior.

Weintraub terminou o discurso provocando a esquerda:

— Esta bandeira verde-amarela é muito mais do que um pedaço de pano, é um pacto das gerações passadas com esta geração e para as gerações futuras. Este país vai ser livre, não vai ser como Venezuela ou Cuba. Independentemente da cor, da proteção solar, este país só tem um povo, o povo brasileiro.  Que nunca mais nós tenhamos uma ideologia externa. Nunca mais um presidente questione a soberania do país. Nunca mais esta bandeira verde-amarela será vermelha.Depois de assinar o decreto que cria o programa, o presidente Jair Bolsonaro também discursou.

— Nós queremos integrar e colocar na cabeça de toda essa garotada a importância dos valores cívico-militares . O que nos tira da miséria e da ignorância é o conhecimento — afirmou.

Sobre uma possível resistência das comunidades que venham a receber o novo formato de ensino, disse:

— Não tem que perguntar para o pai se ele quer ou não uma escola, de certa forma com militarização. Me desculpa, tem que impor.

Bolsonaro é um grande defensor do modelo de educação militar e prometeu, durante a campanha, instalar colégios militares em todas as capitais brasileiras nos dois primeiros anos de mandato. O Rio Grande do Sul deve receber duas escolas em projetos-piloto. Hoje, o Exército mantém 13 desses estabelecimentos. Minas Gerais e Rio Grande do Sul são os únicos Estados com duas unidades (no caso gaúcho, sediadas em Porto Alegre e Santa Maria). 

As ações das escolas cívicos-militares, segundo o  Ministério da Educação, se concentrarão em três principais áreas:

Administrativa: com ações para melhorar a infraestrutura e organização das escolas.

Didático-pedagógica: desenvolvendo atividades de supervisão escolar e psicopedagogia .

Educacional: atividades para fortalecer valores “humanos, éticos e morais” e incentivar a formação integral dos alunos.

 

 

*Com informações do site gaúchazh

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.